À Procura da Verdade

Este fórum foi iniciado para que se pudesse conversar livremente e colocar os diversos pontos de vista sobre as verdades bíblicas.
 
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe
 

 tabernáculo

Ir em baixo 
AutorMensagem
são vieira



Mensagens : 923
Reputação : 16
Data de inscrição : 24/07/2009
Localização : portugal

tabernáculo Empty
MensagemAssunto: tabernáculo   tabernáculo EmptySex Jul 31, 2009 6:19 pm

O tabernáculo era um dos instrumentos centrais do arranjo de Jeová que possibilitava aos da nação de Israel se aproximarem Dele. Consistia em dois compartimentos. O primeiro, o Santo, continha um candelabro de ouro, o altar de ouro do incenso, a mesa dos pães da proposição e utensílios de ouro; e o compartimento mais recôndito, o Santíssimo, continha a arca do pacto, com dois querubins de ouro em cima da tampa.

De qualquer parte do acampamento sempre se podia localizar facilmente o tabernáculo por causa da nuvem, de dia, e do fogo, à noite, que pairavam sobre o Santíssimo, onde ficava a arca do pacto. — Êx 40:36-38
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
são vieira



Mensagens : 923
Reputação : 16
Data de inscrição : 24/07/2009
Localização : portugal

tabernáculo Empty
MensagemAssunto: Re: tabernáculo   tabernáculo EmptyQua Nov 18, 2009 6:15 am

dimensões do tabernáculo... em medidas reais...Smile

1 côvado de 44,5 cm.

1 côvado comprido, de uns 51,8 cm.

Coberturas e reposteiros.
O inteiro esqueleto da estrutura era coberto, primeiro com uma cobertura de linho bordada de coloridas figuras de querubins. A cobertura se dividia em duas grandes seções de cinco panos cada uma, unidas por presilhas de linho azul, que eram seguradas por colchetes de ouro. Cada pano dessa cortina tinha apenas 28 côvados (12,50 m) de comprimento, o que o deixaria pelo menos um côvado (c. 44,5 cm) acima do piso, em cada lado da estrutura. — Êx 26:1-6.

Por cima da cobertura de linho era colocada uma outra cobertura de pêlo de cabra, dividida em duas seções, uma de seis panos e a outra de cinco. Cada um dos 11 panos tinha 30 côvados (13,40 m) de comprimento. Sobre esta era colocada a cobertura de peles de carneiro tingidas de vermelho, e, por último, uma cobertura de peles de foca que, pelo visto, chegava até o chão, e, evidentemente, dotada de cordas para que a cobertura pudesse ser presa ao chão por meio de estacas. — Êx 26:7-14.

Outra cortina colocada na parte de dentro, entre o Santo e o Santíssimo, era bordada de querubins (Êx 36:35), e o reposteiro para a entrada ao L era de lã colorida e de linho. — Êx 36:37.

Dimensões.
A Bíblia descreve o tabernáculo (evidentemente as medidas internas) como tendo 30 côvados (13,40 m) de comprimento e dez côvados (4,50 m) de altura. (Êx 26:16-18.) Evidentemente tinha também 10 côvados de largura. (Êx 26:22-24.) A largura pode ser calculada da seguinte maneira: a parte dos fundos, ou parede O, era construída com seis armações de painel de um côvado e meio cada uma (totalizando 9 côvados) e duas armações de painel, chamadas escoras de esquina, que evidentemente eram posicionadas de modo que cada uma acrescentasse meio côvado à dimensão interna.

O compartimento Santíssimo aparentemente era um cubo de 10 côvados de cada lado — assim como o Santíssimo do templo de Salomão, construído mais tarde, também era cúbico, com 20 côvados (8,90 m) em cada dimensão. (1Rs 6:20) O comprimento do Santo tinha o dobro de sua largura. Quanto ao comprimento do Santo do tabernáculo, os seguintes pontos são significativos: cada uma das duas seções da cobertura de linho tinha 20 côvados de largura. (Êx 26:1-5) Assim, uma seção (20 côvados) estendia-se da entrada até o lugar em que as presilhas a uniam à outra seção. A junção aparentemente se dava acima das colunas que sustentavam a cortina do Santíssimo. Daí, a outra metade da cobertura (20 côvados) servia para cobrir o Santíssimo (10 côvados), e também os fundos ou lado O do tabernáculo (10 côvados).

Armações de painel. As paredes eram de acácia, recobertas de ouro, evidentemente em forma de armações de painel (similares a armações de janela), em vez de tábuas maciças. (Êx 26:15-18) Este conceito parece lógico, por dois motivos: (1) Tábuas maciças de acácia do tamanho descrito seriam desnecessariamente pesadas, e (2) os querubins bordados na cortina suspensa sobre as tábuas ficariam ocultos, exceto os vistos no teto da estrutura, na parte interna. (Êx 26:1) Assim, parece que cada armação de painel foi construída de tal modo que os sacerdotes, no tabernáculo, pudessem ver os querubins bordados na cobertura de linho. Alguns peritos da atualidade também são da opinião de que se usou o estilo de armações de painel, em vez de o de tábuas maciças. Assim, embora o termo hebraico qé·resh seja traduzido por “tábuas” em versões mais antigas, várias traduções modernas usam a palavra “armação” ou “armação de painel”. — Êx 26:15-29, AT, BLH, JB, Mo, NM, RS.

Havia 20 armações de painel no lado N e 20 no lado S. (Êx 26:18, 20) Cada armação tinha 10 côvados (4,50 m) de altura e um côvado e meio (67 cm) de largura, com espessura não especificada. Nos fundos, ou extremidade O, havia seis armações de painel, e nos cantos dos fundos, duas armações chamadas de “escoras de esquina”. — Êx 26:22-24.

Colunas e alicerce.
Cinco colunas recobertas de ouro eram postas na frente, ou entrada, e quatro de tais colunas sustentavam a cortina que separava o Santo do Santíssimo. (Êx 26:32, 37) O alicerce de toda a estrutura consistia em 100 pedestais com encaixes para receber espigas na base das 48 armações de painel (dois pedestais para cada armação de painel; quatro pedestais serviam para as quatro colunas que separavam o Santo do Santíssimo). Estes pedestais eram todos de prata (Êx 26:19-25, 32), cada pedestal pesando um talento (c. 34 kg). (Êx 38:27) Adicionalmente, havia cinco pedestais de cobre para as colunas na entrada. (Êx 26:37) Considerando o peso da prata, esses pedestais evidentemente não seriam muito grossos, mas seriam mais como placas pesadas.

O pátio.
O pátio que cercava o tabernáculo tinha 100 por 50 côvados (44,50 x 22,20 m). A cortina, semelhante a uma cerca em sua volta, tinha 5 côvados (2,20 m) de altura. Vinte colunas de cobre constituíam os suportes para cada lado, e dez para cada extremidade da área. O reposteiro da entrada ao L era feito de linho e tecido colorido, e tinha 20 côvados (8,90 m) de lado a lado. — Êx 38:9-20.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
são vieira



Mensagens : 923
Reputação : 16
Data de inscrição : 24/07/2009
Localização : portugal

tabernáculo Empty
MensagemAssunto: Re: tabernáculo   tabernáculo EmptySab Ago 21, 2010 10:25 am

porque existiam imagens de querubins ?

Estes encaravam um ao outro, e se curvavam em direcção à tampa em atitude de adoração. Cada um deles tinha duas asas que se estendiam para cima e recobriam a tampa como que dum modo defensor e protector. (Êx 25:10-21; 37:7-9) Também, a face interior dos panos da tenda do tabernáculo e a cortina que dividia o Santo do Santíssimo estampavam figuras bordadas de querubins. — Êx 26:1, 31; 36:8, 35.

Estas não eram figuras grotescas, modeladas segundo as monstruosas imagens aladas que eram adoradas pelas nações pagãs nos arredores, como alguns argumentam. Segundo o testemunho unânime da antiga tradição judaica (a Bíblia guarda silêncio sobre o assunto), estes querubins tinham forma humana. Eram excelentes obras de arte que representavam criaturas angélicas de gloriosa beleza, e cada detalhe fora feito ‘segundo o modelo’ que Moisés recebeu do próprio Jeová. (Êx 25:9) O apóstolo Paulo os descreve como ‘querubins gloriosos que encobriam a tampa propiciatória’. (He 9:5) Tais querubins eram associados com a presença de Jeová: “E ali me hei de apresentar a ti e falar contigo de cima da tampa, de entre os dois querubins que há sobre a arca do testemunho.” (Êx 25:22; Núm 7:89) Por isso, dizia-se que Jeová estava “sentado sobre [ou entre] os querubins”. (1Sa 4:4; 2Sa 6:2; 2Rs 19:15; 1Cr 13:6; Sal 80:1; 99:1; Is 37:16) De maneira simbólica, os querubins serviam como “a representação do carro” de Jeová, no qual ele viajava (1Cr 28:18), e as asas dos querubins ofereciam tanto protecção vigilante como rapidez na viagem. Assim Davi, em cântico poético, descreveu a rapidez com que Jeová veio em sua ajuda, dizendo que “veio montado num querubim e veio voando”, até mesmo “nas asas dum espírito”. — 2Sa 22:11; Sal 18:10.

Os pormenorizados planos arquitectónicos para o magnífico templo de Salomão requeriam a colocação de dois enormes querubins no Santíssimo. Estes foram feitos de madeira de oleastro, sendo recobertos de ouro, cada um com dez côvados (4,5 m) de altura. Ambos estavam voltados para o L, numa linha N-S que percorria, presumivelmente, o centro do recinto. Embora estivessem a dez côvados de distância um do outro, uma das asas de cada querubim tocava a ponta da asa estendida do outro, no centro do recinto, abrigando a arca do pacto e seus varais, que ficavam abaixo. As asas opostas de cada querubim tocavam, respectivamente, as paredes N e S. Assim as asas dos querubins se estendiam por toda a largura de 20 côvados do recinto. Entalhes de querubins, recobertos de ouro, também decoravam as paredes e as portas do templo. Semelhantemente, as laterais dos carrocins de cobre, para água, eram ornamentadas de querubins. (1Rs 6:23-35; 7:29-36; 8:6, 7; 1Cr 28:18; 2Cr 3:7, 10-14; 5:7, Cool De maneira similar, querubins entalhados ornamentavam as paredes e as portas do templo que Ezequiel observou em visão. — Ez 41:17-20, 23-25.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
são vieira



Mensagens : 923
Reputação : 16
Data de inscrição : 24/07/2009
Localização : portugal

tabernáculo Empty
MensagemAssunto: Re: tabernáculo   tabernáculo EmptySab Ago 21, 2010 10:29 am

Os anjos são espíritos, sem corpo material; assim, porque suas ilustrações os retratam com asas? É apenas uma tradição religiosa?

Geralmente retratamos os anjos com asas por causa das descrições simbólicas encontradas na Bíblia.

É correto dizer que criaturas espirituais não têm corpo material com asas literais — nem rosto, mãos, pés, ou outras partes do corpo. Todavia, ocasionalmente, quando anjos apareciam a servos de Deus, eles devem ter tido a aparência de homens comuns, pois eram confundidos com estes. — Génesis 18:2, 22; 19:1; Juízes 6:11-22.

Às vezes, contudo, humanos recebiam visões de anjos e os descreviam. O profeta Ezequiel viu “quatro criaturas viventes” e, numa visão posterior, identificou-as como anjos da categoria conhecida como querubins. (Ezequiel 1:5; 9:3; 10:3) Cada um desses anjos tinha quatro asas, o que indica sua habilidade de reagir prontamente, em qualquer direcção, às ordens de Deus. “Não se viravam ao irem; cada uma ia directamente para a frente . . . Elas iam aonde quer que o espírito se inclinava a ir. Não se viravam ao irem.” — Ezequiel 1:6, 9, 12.

Mas os anjos que eram observados em visão nem sempre tinham a mesma aparência. As criaturas angélicas chamadas serafins, que Isaías viu, tinham seis asas. (Isaías 6:1, 2) Havia diferenças mesmo entre uma e outra visão de Ezequiel. Na primeira, os anjos tinham pés, mãos debaixo de cada uma das quatro asas e quatro faces (na semelhança da face de homem, de leão, de touro, e de águia). Na visão seguinte, uma das faces era como a de querubim em vez de como a de touro, talvez para indicar o grande poder dos querubins. Ainda numa visão posterior da decoração dum templo simbólico, Ezequiel viu querubins que tinham apenas duas faces, uma de homem e a outra de leão. (Ezequiel 1:5-11; 10:7-17; 41:18, 19) No Santíssimo do tabernáculo, bem como no templo construído por Salomão em Jerusalém, havia querubins que tinham duas asas. Estes ficavam na tampa de ouro da caixa chamada de arca do pacto. Os dois querubins de ouro tinham sua face voltada um para o outro, e ambos tinham duas asas que se estendiam sobre a Arca. (Êxodo 25:10-22; 37:6-9) Por cima da Arca (e sua tampa) no templo de Salomão postavam-se dois querubins maiores recobertos de ouro, cada qual tendo duas asas estendidas. — 1 Reis 8:6-8; 1 Crónicas 28:18; 2 Crónicas 5:7, 8.

Josefo escreveu: “Quanto a [esses] querubins, ninguém pode dizer, ou imaginar, qual era sua aparência.” Assim, alguns peritos e artistas baseiam sua representação de anjos (especialmente de querubins) nos chamados antigos protótipos do Oriente Próximo referentes a deuses na forma de animais alados. Mas um guia mais confiável é o comentário de Ezequiel de que aqueles que ele viu “tinham a semelhança de homem terreno”. (Ezequiel 1:5) Portanto, quando se ilustra anjos celestiais , geralmente os retratamos como essencialmente humanos na forma. Nós os apresentamos com asas por causa das numerosas descrições bíblicas de vários anjos como tendo asas e por causa de comentários sobre anjos “voando”. — Revelação (Apocalipse) 14:6; Salmo 18:10.




Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




tabernáculo Empty
MensagemAssunto: Re: tabernáculo   tabernáculo Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
tabernáculo
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Movimento retilíneo (UFPE)
» Dinâmica
» SALMO 126 SEMEANDO COM LÁGRIMAS
» Estequiometria (VUNESP)

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
À Procura da Verdade :: Pentateuco :: Êxodo :: O templo de Deus-
Ir para: