À Procura da Verdade

Este fórum foi iniciado para que se pudesse conversar livremente e colocar os diversos pontos de vista sobre as verdades bíblicas.
 
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 ano novo- o que Deus pensa disso?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
são vieira



Mensagens : 923
Reputação : 16
Data de inscrição : 24/07/2009
Localização : portugal

MensagemAssunto: ano novo- o que Deus pensa disso?   Qui Dez 29, 2011 1:38 am

As Primeiras Celebrações de Ano-novo

Os mesopotâmios acreditavam que o universo foi criado depois de uma luta colossal entre o seu deus Marduque e Tiamat, a deusa do caos. Marduque estabeleceu violentamente a ordem no caos. Cada ano, sua consecução era comemorada na chegada das chuvas vitalizadoras.

Na lua cheia mais próxima de 1.° de Novembro, os celtas celebravam a festa de Samhain, que significa “fim do verão”.
Essa comemoração, que marcava o início do ano novo celta, ocorria no fim do verão, após a colheita e depois que os rebanhos eram trazidos do pasto para os abrigos.

Visto que o rei, que representava a ordem, fazia retiro por diversos dias, a populaça naqueles dias literalmente recriava o caos, bebendo, permitindo que escravos insultassem seus amos e cometendo imoralidade sexual. Os antigos romanos copiaram a mesma idéia no seu festival das saturnais, em Dezembro.

Por um tempo, o ano-novo dos romanos também começava em março, mas, em 46 AEC, o imperador Júlio César assinou um decreto estabelecendo o início dele em 1.° de janeiro. Esse dia já era dedicado a Jano, o deus das origens, e a partir daí também marcaria o início do ano romano. A data havia mudado, mas o clima de festa continuava. A Cyclopedia de McClintock e Strong relata que, em 1.° de janeiro, as pessoas “entregavam-se a intemperança e a várias formas de superstições pagãs”.

Antigas inscrições indicam que as comemorações de ano-novo datam de 3000 AEC, na Babilónia. Celebrada em meados de março, essa festividade era decisiva. “Nessa ocasião, o deus Marduque resolvia qual seria o destino do país no ano seguinte”, comenta The World Book Encyclopedia. A comemoração do ano-novo dos babilónios durava 11 dias e incluía sacrifícios, procissões e ritos de fertilidade. Em Babilónia, onde o festival do Ano-novo era altamente desenvolvido, envolvia também um ritual elaborado de exorcismo; para expulsar da cidade os ‘demónios do caos’ ao começar o Ano-novo.


O ano novo lunar dos chineses cai na primeira lua nova depois de o sol entrar na casa do Aquário no Zodíaco, que pode ser em qualquer tempo entre 21 de Janeiro e 19 de Fevereiro.



E hoje? é diferente?

Por exemplo, em muitos países germânicos, é costume derreter chumbo ou estanho e mergulhá-lo na água ao dar meia-noite, assim que começa o Ano-novo. Daí, olhando para a forma criada ou para a sombra lançada por essa forma, cada um procura adivinhar o que trará o Ano-novo.

No México, multidões visitam a antiga cidade maia de Mitla no dia 1.° de janeiro. Há entre as ruínas uma pedra ‘Coluna da Vida’. Enquanto uma pessoa tenta abraçar completamente a coluna, outra pessoa calcula quantos dedos de espaço restam entre as mãos estendidas. Supõe-se que isto corresponda ao número de anos que a pessoa que está abraçando a coluna viverá.

Os japoneses se preocupam muito com seu primeiro sonho no Ano-novo, que crêem que revela sua sorte no ano que entra. Eles podem comprar papéis especiais e amuletos de boa sorte para assegurar um sonho agradável.

Em algumas regiões da América do Sul, as pessoas saúdam o ano-novo apoiadas apenas no pé direito. Outros tocam buzinas e soltam rojões. Segundo um costume checo, come-se sopa de lentilhas no ano-novo, ao passo que a tradição eslovaca dita que se deve colocar dinheiro ou escamas de peixe debaixo da toalha de mesa.

Tudo isso nos faz lembrar dos esforços dos antigos babilónios de adivinhar o futuro. O festival do Ano-novo era especialmente importante na adivinhação babilónica, pois ocorria então a “fixação do destino” para o ano entrante.Esses rituais, cujo objectivo é espantar a má sorte e garantir a prosperidade, simplesmente perpetuam a antiga crença de que a virada do ano é uma ocasião para decidir destinos.

O que a Bíblia diz sobre isso

A Bíblia alerta os cristãos a ‘andar decentemente, não em festanças e em bebedeiras’. (Romanos 13:12-14; Gálatas 5:19-21; 1 Pedro 4:3)Quando Paulo se referiu a ‘festanças e bebedeiras’, ele talvez estivesse falando também das comemorações de ano-novo, visto que já eram populares em Roma no primeiro século.

Visto que as comemorações de ano-novo se enquadram exatamente nos excessos que a Bíblia condena, os cristãos não participam nessas festividades. Isso não quer dizer que são uns “desmancha-prazeres”. Muito pelo contrário, eles sabem que a Bíblia diz diversas vezes aos adoradores de Deus que se alegrem, e por vários motivos. (Deuteronômio 26:10, 11; Salmo 32:11; Provérbios 5:15-19; Eclesiastes 3:22; 11:9) A Bíblia também reconhece que a comida e a bebida andam de mãos dadas com a alegria. — Salmo 104:15; Eclesiastes 9:7a.

No entanto, conforme já observamos, as comemorações de ano-novo estão arraigadas em costumes pagãos. A adoração falsa é impura e detestável do ponto de vista de Jeová e os cristãos rejeitam costumes que têm essas origens. (Deuteronômio 18:9-12; Ezequiel 22:3, 4) O apóstolo Paulo escreveu: “Que associação tem a justiça com o que é contra a lei? Ou que parceria tem a luz com a escuridão? Além disso, que harmonia há entre Cristo e Belial?” Ele tinha bons motivos para acrescentar: “Cessai de tocar em coisa impura.” — 2 Coríntios 6:14-17a.

Os cristãos se dão conta de que participar em ritos supersticiosos não garante felicidade nem prosperidade — especialmente porque esse tipo de celebração incorre no desfavor de Deus. (Eclesiastes 9:11; Isaías 65:11, 12) Além do mais, a Bíblia adverte os cristãos a serem moderados e equilibrados na conduta. (1 Timóteo 3:2, 11) É claro que seria impróprio para alguém que alega seguir os ensinamentos de Cristo participar em comemorações que se caracterizam por excessos.

A recusa dos verdadeiros cristãos quanto a se empenharem em tais celebrações não significa que não gostam de se recrear e divertir. Gostam de fazer isso. Mas procuram preservar uma boa consciência perante Deus e os homens, evitando os excessos e também a aparência de estar celebrando festividades pagãs.


Última edição por são vieira em Qui Dez 29, 2011 1:53 am, editado 2 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
são vieira



Mensagens : 923
Reputação : 16
Data de inscrição : 24/07/2009
Localização : portugal

MensagemAssunto: Re: ano novo- o que Deus pensa disso?   Qui Dez 29, 2011 1:47 am

Para curiosidade.

Quanto à saudação “Feliz Ano Novo”, trata-se, segundo a Chamber’s Encyclopedia, de “antigo costume escocês que também prevalece em muitas partes da Alemanha” e em outros países, o que atesta sua antiguidade.

Escolha o seu ano-novo

“Começou o ano com o pé esquerdo?”, perguntou um artigo da revista New Scientist. “Não se preocupe, há pelo menos mais 14 dias de ano-novo ao redor do mundo para você escolher.”


“AÑO nuevo, vida nueva”, é um velho provérbio espanhol, a saber, “ano novo, vida nova”.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
ano novo- o que Deus pensa disso?
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» POVO DE ISRAEL PEDE UM REI A DEUS (5°)
» ESCOLA BIBLICA O PLANO DE SALVAÇÃO DE DEUS PARA A HUMANIDADE. LIÇÃO 3 . A SALVAÇÃO NO NOVO TESTAMENTO PARTE FINAL.
» "Texto Crítico" ou "Receptus"? (Onde está a Palavra de Deus?)
» Votos com Deus.
» Namoro Cristão: a mulher pode namorar um homem mais novo?

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
À Procura da Verdade :: Outros assuntos :: Explicando textos :: Riquezas de Salomão-
Ir para: