À Procura da Verdade

Este fórum foi iniciado para que se pudesse conversar livremente e colocar os diversos pontos de vista sobre as verdades bíblicas.
 
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Quem foram os massoretas?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
são vieira



Mensagens : 923
Reputação : 16
Data de inscrição : 24/07/2009
Localização : portugal

MensagemAssunto: Quem foram os massoretas?   Seg Ago 23, 2010 2:32 pm



JEOVÁ, o “Deus da verdade”, preservou sua Palavra, a Bíblia. (Salmo 31:5) Mas como é que ela chegou até nós essencialmente como foi escrita, já que Satanás, o inimigo da verdade, tentou adulterá-la e destruí-la? — Mateus 13:39.

Parte da resposta está num comentário feito pelo professor titular Robert Gordis: “O feito dos escribas hebreus, chamados de massoretas ou ‘preservadores da tradição’, não é reconhecido como deveria. Esses escribas anónimos copiaram o Livro Sagrado com desvelo, meticulosidade e carinho.” Embora a maioria desses copistas continue anónima, o nome de uma família de massoretas ficou registrada claramente: Ben Asher. O que sabemos sobre eles e sobre os demais massoretas?

A família Ben Asher


A parte da Bíblia escrita originalmente em hebraico, em geral chamada de Velho Testamento, era copiada com fidelidade pelos escribas judeus. Do sexto século ao décimo século EC, esses copistas foram chamados de massoretas. O que estava envolvido no seu trabalho?

Durante séculos, o hebraico foi escrito apenas com consoantes, o que fazia com que as vogais fossem supridas pelo leitor. Na época dos massoretas, porém, a pronúncia correta do hebraico estava se perdendo, porque muitos judeus já não eram fluentes nesse idioma. Grupos de massoretas em Babilónia e em Israel inventaram sinais que eram colocados junto às consoantes para indicar a acentuação e a pronúncia correta das vogais. Pelo menos três sistemas foram elaborados, mas o mais prestigioso foi o dos massoretas em Tiberíades, junto ao mar da Galiléia, onde morava a família Ben Asher.

Só dessa família, certas fontes alistam cinco gerações de massoretas, começando com Asher, o Ancião, do oitavo século EC. Os outros foram Neemias ben Asher, Asher ben Neemias, Moisés ben Asher e, por fim, Aarão ben Moisés ben Asher, do décimo século EC. Esses homens estavam na vanguarda dos que aperfeiçoavam os símbolos de escrita que melhor expressariam o que eles entendiam ser a pronúncia correta do texto bíblico em hebraico. Para formular esses símbolos, eles tiveram de definir a base do sistema gramatical da língua hebraica. Até então não havia um sistema definido de regras para a gramática da língua hebraica por escrito. Por isso é cabível dizer que esses massoretas estiveram entre os primeiros gramáticos da língua hebraica.

Aarão, o último massoreta da tradição da família Ben Asher, foi o primeiro a pôr por escrito e compilar essas informações. Fez isso na obra “Sefer Dikdukei ha-Te‘amim”, o primeiro livro de regras gramaticais da língua hebraica. Esse livro tornou-se a base para o trabalho de outros gramáticos da língua hebraica por vários séculos. Mas isso foi só uma consequência do trabalho mais importante dos massoretas. Que trabalho?

Memória fenomenal


O principal interesse dos massoretas era a transcrição exata de cada palavra, e até de cada letra, do texto da Bíblia. Para garantir exactidão, os massoretas utilizavam as margens laterais de cada página para registar informações que indicassem quaisquer possíveis mudanças do texto que tivessem sido feitas inadvertida ou deliberadamente por copistas anteriores. Nas margens, os massoretas também anotavam formas e combinações incomuns de palavras, indicando a frequência com que ocorriam em determinado livro ou nas Escrituras Hebraicas como um todo. Esses comentários eram registados por meio de um código superabreviado, por falta de espaço. Como um recurso a mais para controlo, eles marcavam a palavra e a letra que ficavam no meio de determinados livros. Chegavam a ponto de contar todas as letras da Bíblia a fim de garantir a exactidão da cópia.

Nas margens superior e inferior da página, os massoretas registavam comentários mais extensos sobre algumas das notas abreviadas feitas nas margens laterais. Esses comentários eram úteis no controlo do trabalho. Uma vez que na época os versículos não eram numerados e não havia concordâncias bíblicas, como é que os massoretas consultavam outras partes da Bíblia para fazer o controlo? Nas margens superior e inferior, eles anotavam parte de um versículo paralelo para lembrar onde a palavra ou palavras indicadas se encontravam em outras partes da Bíblia. Por falta de espaço, muitas vezes eles escreviam apenas uma palavra-chave para lembrar de cada versículo paralelo. Para que as notas marginais fossem úteis, esses copistas precisavam, a bem dizer, conhecer de cor toda a Bíblia em hebraico.

As listas que eram extensas demais para as margens eram transferidas para outra parte do manuscrito. Por exemplo, a nota massorética na margem lateral de Génesis 18:3 mostra três letras hebraicas, דלק. Trata-se do equivalente, em hebraico, do número 134. Em outra parte do manuscrito há uma lista que indica 134 lugares em que copistas pré-massoréticos haviam deliberadamente retirado o nome Jeová do texto hebraico, substituindo-o pela palavra “Senhor”. Embora cientes dessas mudanças, os massoretas não tomavam a liberdade de alterar o texto que lhes era confiado. Eles indicavam as mudanças nas notas marginais. Mas por que os massoretas tomavam tal extremo cuidado de não alterar o texto, se copistas anteriores já o haviam alterado? Será que sua crença judaica era diferente da dos seus predecessores?

Em que acreditavam?

Durante esse período de progresso dos massoretas, o judaísmo ficou envolvido numa batalha ideológica de raízes profundas. Desde o primeiro século EC, o judaísmo rabínico vinha aumentando seu controle. Com a escrita do Talmude e das interpretações dos rabinos, o texto bíblico vinha sendo relegado a segundo plano em relação à interpretação rabínica da lei oral. Portanto, a meticulosa preservação do texto bíblico podia ter perdido a importância.

No oitavo século, um grupo conhecido como caraítas rebelou-se contra essa tendência. Frisando a importância do estudo pessoal da Bíblia, eles rejeitavam a autoridade e as interpretações dos rabinos e do Talmude. Aceitavam só o texto bíblico como autoridade. Isso aumentou a necessidade de transcrever com exactidão o texto bíblico, e os estudos massoréticos ganharam novo ímpeto.

A que ponto a crença rabínica ou a caraíta influenciaram os massoretas? M. H. Goshen-Gottstein, especialista em manuscritos hebraicos da Bíblia, diz: “Os massoretas estavam convencidos . . . de que estavam guardando a tradição antiga; uma interferência proposital nisso seria para eles o pior crime possível.”

Os massoretas encaravam a tarefa de copiar correctamente o texto bíblico como trabalho sagrado. Embora pessoalmente talvez estivessem altamente motivados por outras ponderações religiosas, parece que a obra massorética em si estava acima de questões ideológicas. As notas marginais muito concisas davam pouco ensejo a debates teológicos. O texto bíblico em si era o que havia de mais importante em sua vida; eles não o adulterariam.

Benefícios do seu trabalho

Embora o Israel natural não mais fosse o povo escolhido de Deus, esses copistas judeus estavam totalmente dedicados à preservação exata da Palavra de Deus. (Mateus 21:42-44; 23:37, 38) O que a família Ben Asher e outros massoretas conseguiram foi bem resumido por Robert Gordis, que escreveu: “Aqueles trabalhadores humildes, mas inabaláveis, . . . realizaram na obscuridade a laboriosa tarefa de salvaguardar o Texto Bíblico de perda ou de alterações.” (The Biblical Text in the Making [A Elaboração do Texto Bíblico]) Graças a isso, quando reformadores do século 16, como Lutero e Tyndale, contestaram a autoridade da Igreja e começaram a traduzir a Bíblia para idiomas comuns, para que todos pudessem lê-la, eles dispunham de um texto hebraico bem preservado para usar como base para o trabalho.

O trabalho dos massoretas continua a nos beneficiar hoje. Seus textos hebraicos são a base das Escrituras Hebraicas da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas. Essa versão continua a ser traduzida para muitos idiomas com o mesmo espírito de dedicação e interesse pela exactidão que os massoretas mostravam. Fazemos bem em mostrar um espírito semelhante, prestando atenção à Palavra de Jeová Deus. — 2 Pedro 1:19.




A PROCURA pelo melhor método de registrar os sinais vocálicos e a acentuação tônica durou séculos entre os massoretas. Por isso não surpreende que se encontre um desenvolvimento contínuo em cada geração da família Ben Asher. Manuscritos que ainda existem representam os estilos e métodos só dos dois últimos massoretas da família Ben Asher, Moisés e Aarão. Um estudo comparativo desses manuscritos mostra que Aarão desenvolveu regras para certos pontos de menor importância com respeito a pronúncia e anotação que diferiam das de seu pai, Moisés.

Ben Naftali era contemporâneo de Aarão ben Asher. O Códice do Cairo, de Moisés ben Asher, contém muitas versões que são atribuídas a Ben Naftali. Portanto, ou o próprio Ben Naftali estudou sob a orientação de Moisés ben Asher ou ambos preservaram uma tradição comum mais antiga. Muitos eruditos falam das diferenças entre os sistemas de Ben Asher e de Ben Naftali, mas M. H. Goshen-Gottstein escreve: “Não seria errado falar de dois subsistemas dentro da família Ben Asher e denominar o contraste de versões: Ben Asher versus Ben Asher.” Assim, seria inexato falar de um único método Ben Asher. Não foi por causa de alguma superioridade inerente que os métodos de Aarão ben Asher terminaram sendo a forma aceita. Foi só graças a um elogio de Moisés Maimônides, um erudito talmúdico do século 12, que o texto de Aarão ben Asher tornou-se o preferido.


Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Quem foram os massoretas?
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» O verdadeiro e o falso judeu.
» Por que Jesus quebrantava o sábado?
» [Rei ou Papa?] Representante de Deus na Terra
» Os ateus foram arrebatados
» Dicas para quem ficar quando acontecer o Arrebatamento da Igreja

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
À Procura da Verdade :: Outros assuntos :: Composição da bíblia :: Quem audita as publicações da bíblia ?-
Ir para: